Sid Carneiro

A Associação Brasileira de Televisões e Rádios Legislativas (ASTRAL) e a Associação Brasileira de Cooperação (ABC) do Ministério das Relações Exteriores ratificaram, na última sexta-feira (4), em cerimônia na ABC, o projeto de fortalecimento do Parlamento Nacional do Timor Leste, que entre os cinco pedidos de cooperação técnica, constam a instalação de uma rádio legislativa, no Parlamento Nacional daquele país.
Além da rádio legislativa, a cooperação incluiu apoio a projetos de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), cessão de sistemas de software, relações internacionais, cerimonial, protocolo, comunicação social, audiovisual, taquigrafia, redação e transcrição.
Na oportunidade, o presidente da ASTRAL, Wanderley Oliveira sugeriu, que após a instalação da rádio o parlamento de Timor Leste inicie também, a criação da sua TV no Parlamento timorense.
“Em nome da ASTRAL faço a sugestão de que, após a rádio, Timor Leste receba também, a tecnologia brasileira para ter uma TV do Parlamento. A rádio e a TV serão os melhores instrumentos de transparência do Parlamento Timorense, assim, como ocorre aqui no Brasil”, sugeriu Wanderley.
Segundo ele, a ASTRAL se sente honrada por participar desse projeto de apoio ao fortalecimento do Parlamento Nacional do Timor Leste. “Estamos indicando um profissional que por quatro meses, vai passar todo o nosso conhecimento em rádio, para o parlamento timorense. É sem dúvida uma demonstração inequívoca do alto nível, que as rádios legislativas brasileiras atingiram”, argumentou.
Timor Leste é uma Nação com 25 anos de emancipação política desde que deixou de ser colonizada por Portugal, em 1999, quando conquistou sua independência. O país tem poucos técnicos e precisa de conhecimentos em todas as áreas, especificamente, em rádio legislativa. Assim como as demais entidades, a ASTRAL atende a demanda, na condição de parceira dentro do que é reivindicado pelo Timor Leste. A intenção dessa parceria é ajudar no desenvolvimento da rádio possibilitando uma identidade própria do parlamento nacional do Timor Leste.
A Associação Brasileira de Servidores de Câmaras Municipais (ABRASCAM) é também um dos pilares de sustentação desse projeto, tendo como função, ceder servidores públicos municipais para atender as necessidades dos timorenses. “O que vamos fazer é justamente ceder servidores públicos que vão para o Timor Leste levar conhecimento do que realizamos nas rádios legislativas aqui no Brasil”, disse o presidente da ABRASCAM, Walace Luiz Tureta.
Para o Embaixador João Almino, Diretor Geral da ABC, em Brasília a cooperação é importante, porque o projeto é um marco, que já vinha sendo discutido com avanços e atividades, mas, que agora, se tornou uma realidade. “Trata-se de uma experiência pioneira envolvendo a cooperação entre os parlamentos do Timor Leste e o brasileiro. o Brasil tem uma experiência acumulada no nível federal, estadual e municipal que vai contribuir de forma positiva para os timorenses”, disse João.
A Câmara de Vereadores de Canoinhas (SC), também cederá servidores para o Parlamento Nacional de Timor Leste. Na avaliação de José Luiz Lacowicz, Coordenador da Câmara Técnica de Canoinhas, a cooperação fortalece a relação entre os dois países, com avanços significativos para o parlamento timorense. “É uma população que faz parte das comunidades que falam o português. Por tanto, considerados nossos irmãos decentes da colonização portuguesa, que precisam do nosso conhecimento em diversos setores do legislativo”, disse Lacowicz.
Não é a primeira vez que Brasil e Timor Leste selam parceria de grande relevância internacional. Para o Secretário de Timor Leste, Miguel Jacob V. Nova da Silva, a cooperação contribui para transparência das ações politicas no Parlamento Nacional do país. “Sem dúvida nenhuma, esse acordo com o Brasil é de grande valia para o nosso país”, disse Miguel, ressaltando a importância de continuidade do projeto que tem validade de dois anos, mas que poderá ser renovado, conforme o interesse de ambas as partes.
Mesmo antes da independência do Timor Leste, que o Brasil mantém uma diversidade de parcerias com os timorenses, além dessa cooperação na área da comunicação legislativa. “Já houve outros projetos brasileiros, como o centro de formação profissional no país asiático, que durou mais de doze anos, antes mesmo da sua independência”, afirmou Paulo Barboza Lina, Coordenador Geral de Cooperação Técnica de Timor Leste.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.